Escritórios com um aumento de 38% no volume de ocupação no Porto

Predibisa responsável pela colocação de 14.403 m² de escritórios, cerca de 51% da área total absorvida no Grande Porto, tendo realizado metade das transações registadas no semestre.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

De acordo com o OnOffice, relatório publicado pela Predibisa e que analisa a performance do mercado de escritórios do Grande Porto

 No primeiro semestre de 2020, o mercado de escritórios do Grande Porto registou um aumento de 38% no volume de ocupaçãoface ao período homólogo. De acordo com dados do OnOfficerelatório publicado pela Predibisa, apesar de um menor número de transações no setor (quebra de 4%), o valor médio contratado por operação aumentou, o que se traduziu num incremento do valor total de área de escritórios contratado, fixando-se nos 28.381 m². Tal como no primeiro trimestre do ano, a Predibisa foi líder em número de operações e no volume de área colocada. A consultora colocou 14.403 m², cerca de 51% da área total absorvida no Grande Porto, tendo assegurado metade das transações registadas no semestre.

Apesar da segunda metade do semestre ter sido pautada pelo contexto pandémico, o mercado de escritórios no Grande Porto continuou dinâmico, dando sinais positivos, como o aumento de operações de grande dimensão e o incremento da procura por parte de empresas internacionais. Dois terços das transações desenvolvidas envolveram multinacionais e 38% das mesmas foram motivadas pela chegada de novas empresas à região, o que vem confirmar o estatuto de atratividade que o Porto tem a nível internacional na captação de novos players.

Aliadas a estas boas dinâmicas que o setor vem registando desde 2015, está associada uma elevada procura de espaços que supera a oferta atual disponível na região. Atualmente o Grande Porto tem em pipeline cerca de 86.000 m², cuja entrada em stock está prevista ocorrer até final de 2021 e que virá de certa forma aproximar a relação entre oferta e procura, contudo insuficiente para colmatar o desfasamento existente. 

Graça Ribeiro da Cunha, responsável da Predibisa para a área dos Escritórios, sublinha: “A boa performance deste primeiro semestre, no seguimento do que tem vindo a acontecer nos últimos anos no mercado de escritórios do Grande Porto, deve-se à conclusão de negócios que já se tinham iniciado no ano anterior. Por norma, as grandes empresas planeiam a sua implantação em novos países ou mesmo a sua expansão, com muito tempo de antecedência. A pandemia a nível mundial veio acautelar todo este processo, colocando assim alguns negócios em stand-by, ainda sem indícios de data para o seu desenvolvimento. É nossa opinião que este abrandamento poderá vir a refletir-se nos próximos meses. “

Expansão de área motivou 50% do take-up  de escritórios

A atividade no mercado de escritórios do Grande Porto registou no primeiro semestre do ano um total de 24 transações e 28.381 m² de ocupação total de área na região. Comparativamente ao período homólogo, apesar do número de transações ser inferior (menos uma transação), notou-se um aumento de 38% no volume de área contratada (colocaram-se mais 7.881 m² no total), o que se traduz num aumento da superfície média contratada por operação, que passou de 820 m² (2019) para 1.183 m² (2020). Esta variação está relacionada com o facto de quatro operações registarem áreas contratadas acima dos 3.000 m², três delas mediadas pela Predibisa.

A cidade do Porto absorve cerca de 65% da área colocada, com o Central Business District (CBD) da Boavista a liderar. Tal como em igual período de 2019, o CBD é a chamada “zona quente” do mercado de escritórios, registando o maior número de operações (oito no total) e o maior volume de área absorvida, com cerca de 33% (9.347 m²). Seguem-se a zona de Matosinhos, com 20% da área colocada, e em sentido inverso, as cidades de Vila Nova de Gaia e da Maia, zonas com menor absorção de área no semestre, 10% e 6%, respetivamente.

Em termos de absorção por intervalo de área contratada, dez das transações registadas são operações com áreas brutas locáveis superiores a 500 m², o que corresponde a cerca de 91% da área colocada, e destas dez operações, quatro são transações de grande dimensão com áreas superiores a 3.000 m². Seis operações compreendem áreas entre os 200 m² e os 400 m², cerca de 6% da área colocada e oito com áreas inferiores a 200 m², o que corresponde a 3% do total.

As empresas ligadas ao setor das TMTs & Utilities foram as mais ativas no primeiro semestre do ano, concentrando um quarto da procura e celebrando um total de seis transações. Seguiram-se os “Seviços Empresas” e os “Outros Serviços”, ambos com uma quota de 21% cada.

Por sua vez, o setor “Serviços Empresas” foi responsável pela maior percentagem de ocupação, 31% da área de escritório contratada, seguindo-se o “Outros Serviços”, com 27%, e as TMTs & Utilities com uma quota de 23%.

Ao longo do primeiro semestre do ano, o principal fator de motivação das empresas para a procura de novos espaços de escritórios Grande Porto centrou-se sobretudo no motivo de expansão de área, correspondendo a 50% do take-up. Já no primeiro trimestre se verificara esta tendência, que contrastava com os dados relativos ao período homólogo, onde a expansão de área tinha sido responsável por apenas 17% do take-up  de escritórios.

Os restantes 50% prendem-se com o motivo de mudança de instalações (32%) e a instalação de novas empresas na região com 18%.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog

Últimas novidades no Porto

“Verão Vila do Conde 2020” leva animação aos equipamentos municipais

Já reabriu o Vogue Café Porto: um pátio-refúgio em plena baixa do Porto

Mercadona vai abrir nova loja no Distrito do Porto

O World of Wine está quase a abrir em Gaia

Porto PianoFest está de volta em Agosto

Porta-Jazz está de volta com um programa de concertos ao ar livre

Novo troço pedonal junto ao Rio Douro é inaugurado hoje

Uber Eats passa a estar disponível 24h por dia no centro do Porto

Está em marcha a requalificação do Bairro dos Pescadores em Matosinhos

Beethoven e os seus seguidores levam a música sinfónica ao Coliseu Porto Ageas

ponte-d-luis-webook