1 semana atrás

Há uma exposição de Almada Negreiros em Matosinhos com entrada grátis

A Coleção Saltimbancos é composta por litografias e quadros e vai estar em destaque no NorteShopping


Desde 4 de outubro (e até dia 22) que está na praça central do NorteShopping uma exposição de José de Almada Negreiros.

É a sua Coleção Saltimbancos, composta por 52 litografias e 29 quadros, que se juntou à mostra “O Circo de Fernando Léger”. As obras podem ser visitadas no centro comercial desde 6 de setembro.

O embaixador e curador desta exposição é Jorge Barreto Xavier, antigo secretário de estado da Cultura.

Nascido em São Tomé e Príncipe, no ano de 1893, José Sobral de Almada Negreirosmudou-se com a família para a capital portuguesa com poucos anos de vida, e foi aqui que se tornou um dos mais proeminentes e estimados artistas do século XX.

Enquanto estudante, deu a conhecer pela primeira vez o seu trabalho – caricaturas e desenhos – na revista “A Sátira”. Mas a notoriedade que adquiriu no início de carreira prendeu-se, acima de tudo, com a escrita, interventiva e literária. Foi assim que teve um papel particularmente ativo na primeira vanguarda modernista, com um  importante contributo no primeiro número da revista “Orpheu”, em 1915, onde estabeleceu um contacto muito próximo com Fernando Pessoa.

Depois de uma passagem pela cidade de Paris – cidade com a qual ficou desapontado –, regressou a Lisboa em 1920, com uma nova abordagem artística: mais ponderado e sentimentalista. Começou a colaborar em jornais, como o Diário de Lisboa, onde produziu ilustrações, textos e capas, sem nunca abandonar a veia humorística.

Voltou a sair de Portugal, desta vez para Madrid, onde redigiu a obra cénica “El Uno, tragédia de la Unidad” e realizou algumas decorações de murais, apontando o seu talento a uma outra dimensão: à arquitetura.

Depois, regressou de vez para Portugal, assentou, casou com Sarah Afonso, em 1934, e no ano seguinte nascia o seu primeiro filho, de seu nome José. Esta altura coincidiu com o auge da sua carreira. Escrevia poesia, ensaios e romances, realizava palestras e colóquios, pintava e desenhava. Era a confirmação que estávamos perante um artista multidisciplinar e ímpar.

Contudo, o desenho acabou por ser uma das vias onde Almada Negreiros fazia fluir a sua criatividade de forma aguçada. Foi assim que deu vida a “Saltimbancos”, uma coleção que ocupa um lugar privilegiado no espaço “Circo na Arte Portuguesa” do nosso Centro. Nesta coleção, singular e prestigiada do século XX, o artista viu nestas figuras uma ligação idêntica aos artistas de teatro italiano que, tal como os saltimbancos, se situavam entre palhaços e heróis, como personagens que viviam do espetáculo como forma de servir a sociedade. Com esta série, o artista coloca os saltimbancos como figuras provocadoras da sociedade.

Durante a Idade Média surgiu a figura de saltimbancos, como um coletivo de artistas que criavam pequenas exibições improvisadas de malabarismo, acrobacia e comédia, em praças, ruas e feiras medievais. Eram distintos por viajarem de cidade em cidade, à mercê da sociedade, sob a condição de comida e dinheiro que conseguiam recolher ao final do dia (após os pequenos espetáculos). Os saltimbancos ficaram conhecidos pela faceta de entretenimento popular e por recorrerem ao nomadismo como estilo de vida.


A entrada é grátis
Deixe o seu comentário

Registe-se para comentar!

Precisa de estar registado para poder fazer comentários. Faça login ou registe-se gratuitamente, no webook® Porto. Se preferir, pode usar a sua rede social para fazer o login.

Anúncio