Ópera regressa ao Teatro Nacional São João no arranque do novo ano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

The Rape of Lucretia abre a programação do primeiro trimestre de 2018. Obra de Camilo Castelo Branco e Gil Vicente estarão em destaque

A programação do Teatro Nacional São João (TNSJ) – e os espaços que gere:  Teatro Carlos Alberto (TeCA) e o Mosteiro de São Bento da Vitória (MSBV) – para os primeiros três meses de 2018 já é conhecida.

No arranque do novo ano, a ópera regressa ao TNSJ com a nova criação de Luís Miguel Cintra a partir da obra de Benjamin Britten. The Rape of Lucretia tem por base o libreto de Ronald Duncan, que se inspira em André Obey e William Shakespeare, para contar a história de castidade de Lucrécia, violada pelo filho do tirano que governa a Roma pagã. A produção do Teatro Nacional São Carlos com direção musical de João Paulo Santos estará em cena nos dias 5 e 7 de janeiro, no TNSJ.

Entre janeiro e março, a dramaturgia portuguesa vai estar em destaque nos espaços do TNSJ, colocando em evidência a obra de Gil Vicente e de Camilo Castelo Branco. Marco Martins, o coletivo Visões Úteis (Ana Vitorino, Carlos Costa e João Martins) e João Paulo Seara Cardoso – fundador do Teatro de Marionetas do Porto, cuja peça Óscar vai estar em cena de 7 a 11 de março no TeCA – são outros dos autores portugueses a fazer parte da programação dos próximos três meses.

The Rape of Lucretia abre a programação do primeiro trimestre de 2018.

Inferno, Purgatório, Glória: As várias Barcas de Gil Vicente

A celebração da obra de Gil Vicente começa a 6 de janeiro, no TeCA, com Nuno Carinhas (diretor artístico do TNSJ) e Nuno M Cardoso a orientarem um atelier de leitura encenada da “trilogia das barcas” que representa o ponto culminante do teatro religioso vicentino.

Segue-se, a 15 de janeiro, uma conferência com José Augusto Cardoso Bernardes, professor catedrático na Faculdade de Letras de Coimbra e um dos mais destacados e originais vicentistas, que vai fazer o paralelismo entre Gil Vicente no “seu” tempo e no “nosso” tempo.

Já entre 17 e 21 de janeiro, o TeCA recebe Embarcação do Inferno, um espetáculo d’A Escola da Noite de Coimbra e o Cendrev de Évora. Numa encenação de António Augusto Barros e José Russo, recupera-se um texto de 500 anos para se refletir sobre os tempos atuais, em que vigoram os conceitos de “pós-verdade”.  No dia 20 de janeiro, no TNSJ, os encenadores orientam uma oficina, pondo em evidência o trabalho que têm vindo a desenvolver em torno do património vicentino com as comunidades escolares das suas cidades e regiões.

Cristina Carvalhal “desloca” Elizabeth Costello para o teatro

Depois de Cândido (Voltaire), Cosmos (Witold Gombrowicz) ou Erva Vermelha (Boris Vian), Cristina Carvalhal volta a adaptar e encenar um texto que não foi escrito para teatro.

Desta vez é Elizabeth Costello, de John Maxwell Coetzee (Prémio Nobel da Literatura), ao qual chamaram um “romance disfarçado de digressões”, ou seja, uma obra inclassificável que desafia as fronteiras do ensaio e ficção.

O espetáculo confronta crenças e ideias polémicas, como a essência de Deus, o Holocausto nazi e o vegetarianismo. Uma coprodução Causas Comuns, Culturgest e TNSJ para ver de 18 a 28 de janeiro, no TNSJ.

Bruno Nogueira, Nuno Lopes e Miguel Guilherme em retrospetiva

Entre 7 e 11 de fevereiro, o TNSJ acolhe Actores, um espetáculo que resulta das observações feitas por Marco Martins durante os intervalos dos ensaios dos espetáculos.

Durante muito anos, a “distração” dos atores parecia ao encenador uma “traição”, até que o deixou de ser e passou à categoria de “interessante”.

A peça é feita de relatos autobiográficos dos próprios intérpretes – Bruno Nogueira, Luísa Cruz, Miguel Guilherme, Nuno Lopes e Rita Cabaço –, partindo de mais de 40 textos por eles representados ao longo dos anos, permitindo lançar um olhar retrospetivo sobre a vida de cada um dos atores.

O espetáculo é uma coprodução Arena Ensemble, São Luiz Teatro Municipal, Centro de Arte de Ovar e TNSJ.

Violência e poder colapsam na solidão e silêncio

É a primeira vez de Flávio Rodrigues na programação do TNSJ, um artista que vem construindo, desde 2006, uma obra que interroga as fronteiras de corpo, identidade e género, a partir de linguagens que intercetam dança, performance e som.

Magma – No Limite da Selvajaria apresenta-se em estreia absoluta no Teatro Carlos Alberto entre os dias 15 e 17 de fevereiro.

Um solo, em coprodução TNSJ, que explora um imaginário onde a violência e o poder colapsam na solidão e no silêncio.

Celebração da obra e vida de Camilo Castelo Branco

Camilo Castelo Branco é um dos destaques da programação do TNSJ. Em A Longa Noite de Camilo – uma estreia que resulta de uma coprodução TEatroensaio e TNSJ –, Pedro Estorninho põe em perspetiva a obra multifacetada daquele a quem Agustina Bessa-Luís apelidou de “um Voltaire à moda do Porto, com mais tripas do que carne de lombo”.

O espetáculo está em cena de 28 de fevereiro e 3 de março no TeCA, sendo que no último dia será lançado (com concerto) o CD Cancioneiro Musical Português.

Este álbum, com voz das sopranos Alexandra Bernardo e Tânia Valente e música do pianista Bernardo Marques, resgata do esquecimento Gustavo Romanoff Salvini, o primeiro compositor a transformar poemas de Camilo em canções.

Já a 16 de março, no TNSJ, poderá ser apreciado o recitalSerões de Camilo, precisamente quando se cumpre o 193º aniversário do nascimento do escritor.

O momento terá as participações da soprano Sara Braga e do pianista Rui Martins.

Podes consultar aqui o caderno de programação oficial.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Blog

Últimas novidades no Porto

Uber Eats passa a estar disponível 24h por dia no centro do Porto

Preparados? A 7ª edição do Rally Fish vai começar

Está em marcha a requalificação do Bairro dos Pescadores em Matosinhos

As corridas estão de volta com o “Matosinhos em Forma Running”

Escola das Artes da Católica Porto organiza sessões online e visitas virtuais

Barão Fladgate tem uma nova carta de verão

Porto PianoFest está de volta em Agosto

Hotel InterContinental Porto reabre com três noites ao preço de duas

Já é possível fazer Porto-Lisboa (e vice-versa) por 5,29€

Vai reabrir o Infante Sagres: hotel histórico promove redescoberta da cidade do Porto

ponte-d-luis-webook