2 anos atrás

25 de Abril de 1974: e no Porto, como foi?

A polícia tentou dispersar as pessoas mas teve de fugir.


As notícias da revolução levaram as pessoas espontaneamente à Avenida dos Aliados, a PSP ainda chegou a disparar para dispersar a multidão, mas aquele dia era diferente, o povo não se deixou ficar e os militares correram com ela.

Segundo a Lusa, "na manhã do dia 25 de Abril de 1974, a cidade acordou com colunas de militares em pontos estratégicos como a ponte da Arrábida, a Luiz I ou a Via Norte e quem foi trabalhar depressa voltou, correu a ligar a rádio, soube do que se passava em Lisboa e seguiu para a Baixa – era onde estava a Câmara e os jornais, o Comércio do Porto até tinha um placard com notícias à porta, não havia outra forma de estar na rua e ter acesso às novidades."

Nem sequer se tratava de uma manifestação, as pessoas iam aparecendo, e a polícia acabou por fugir deixando cassetetes e capacetes pelo caminho. Tratava-se de mais uma prova de que o país tinha mudado, acabara a ditadura, as pessoas podiam estar na rua sem que aparecesse a PIDE e foi precisamente na cadeia e nos presos políticos que depois se centraram as atenções da multidão.


Foto Ricardo Pereira MNI

Uma bomba prestes a rebentar


Houve alguma indefinição na Baixa. A PSP teve uma posição inicial de confronto. O que se notava nas pessoas era uma espécie de bomba prestes a explodir. Aquela gente, que esteve uma série de anos habituada a olhar para as esquinas à espera de aparecer a polícia a carregar, de repente percebeu que o dono da rua era o povo”, descreveu Honório Novo à Lusa, ex-deputado do PCP na Assembleia da República, num relato “como cidadão”, porque na altura não pertencia ao partido.

Na altura com 23 anos, estava a fazer um estágio profissional e tão depressa lá chegou como veio embora. “A meio da manhã já estava em casa. Pelo caminho cruzei-me com várias barreiras do exército. À hora de almoço vi o noticiário na televisão e a partir daí saí de casa e não sei a que horas voltei”, recordou.

No início houve algum temor e tibieza na confrontação. Havia uma presença espontânea nas ruas. Depois, a desconfiança começou a desaparecer e as pessoas tomaram a rua como sua, com a certeza crescente de que o fascismo tinha caído e de que se podia estar na rua de forma livre e espontânea, expressando a raiva contida durante 48 anos”, descreveu Honório Novo, atualmente eleito pelo PCP na Assembleia Municipal do Porto.

Um dos milicianos que participou no golpe a partir do Porto, destacou a viragem “de um dia para o outro”.

Os comandos intervieram e a polícia teve de fugir. Antes eram as pessoas a levar, naquele dia levava a polícia. Depois veio uma manifestação muito grande, impressionante, para o Quartel-general. Arrepiava porque aquilo, feito na véspera, deixava a PIDE cheia”, lembra.


Foto Ricardo Pereira MNI
Deixe o seu comentário

Registe-se para comentar!

Precisa de estar registado para poder fazer comentários. Faça login ou registe-se gratuitamente, no webook® Porto. Se preferir, pode usar a sua rede social para fazer o login.

Anúncio